1º Dia – Lisboa / Castelo de Vide / Castelo Branco
Partida de Lisboa por Montemor-o-Novo, Estremoz e Portalegre para Marvão. Visita à encan-tadora vila amuralhada, situada em plena escarpa rochosa. Continuação para Castelo de Vi-de. Almoço regional. Visita ao miradouro de Nª Sra da Penha. Continuação por Alpalhão, Nisa, Vila Velha de Ródão e chegada a Castelo Branco. Ao final da tarde será servido cocktail de São Martinho. Jantar Buffet com animação musical. Alojamento.

2º Dia – Castelo Branco / Sertã / Lisboa
Pequeno-almoço. Partida por Perdigão e Proença-a-Nova para o miradouro de Nossa Sra da Confiança, com extraordinária paisagem sobre a barragem e albufeira de Cabril. Continuação por Pedrogão Pequeno para a Sertã. Almoço regional. Partida por Tomar com breve paragem no centro e continuação para Fátima. Oportunidade para cumprir compromissos religiosos. Regresso a Lisboa.

Fim dos nossos serviços


São Martinho
O dia de São Martinho é festejado um pouco por toda a Europa, mas as celebrações variam de país para país. Em Portugal é tradição fazer-se um grande magusto, beber-se água-pé e jero-piga. Esta é também uma altura em que se prova o novo vinho. Como diz o ditado popular, “no dia de São Martinho, vai à adega e prova o vinho”.
De acordo com alguns autores, a realização dos magustos remonta a uma antiga tradição de comemoração do Dia de Todos os Santos, onde se acendiam fogueiras e se assavam castanhas. 

Castanha
Presume-se que a castanha seja oriunda da Ásia Menor, Balcãs e Cáucaso, acompanhando a história da civilização ocidental desde há mais de 100 mil anos e constituiu um importante con-tributo calórico ao homem pré-histórico que também a utilizou na alimentação dos animais.Os gregos e os romanos colocavam castanhas em ânforas cheias de mel silvestre. Este con-servava o alimento e impregnava-o com o seu sabor. Os romanos incluíam a castanha nos seus banquetes. Durante a Idade Média, nos mosteiros e abadias, monges e freiras utilizavam frequentemente as castanhas nas suas receitas. Por esta altura, a castanha, era moída, tendo-se tornado mesmo um dos principais farináceos da Europa. Cozidas, assadas ou incluídas na gastronomia regional, são uma iguaria incontornável.